terça-feira, junho 19, 2007

Que pulhice de oposição esta!..


Na última edição do “Expresso”, lia-se: "Mendes cria grupo para atacar TGV".

Esta notícia não pode ser a sério, e nunca poderia vir de gente séria!...

De acordo com o pequeno líder da oposição, o investimento na alta velocidade é muito superior ao do novo aeroporto da OTA, pelo que é obrigatório que esse investimento seja feito de forma ponderada, sem precipitações e sem comprometer as gerações futuras.

Vejamos agora a pulhice desta oposição, professor Martelosabetudo incluído…

A Resolução n.º 83/2004, do Conselho de Ministros, publicada no D.R. 1º Série, nº 149, do dia 26 de Junho, definia os princípios de enquadramento da rede ferroviária de alta velocidade (TGV) para o século XXI, e aprovava o desenvolvimento das infra-estruturas, ao mesmo tempo que promovia a preparação da integração no futuro plano ferroviário nacional. No seu preâmbulo pode ler-se:

“Consciente da necessidade de concretizar o trabalho e os estudos entretanto realizados, o Governo propôs soluções no âmbito da XIX Cimeira Luso-Espanhola, realizada em 7 e 8 de Novembro de 2003, na Figueira da Foz, cujas decisões se revelaram estruturantes para a definição do traçado da rede ferroviária de alta velocidade na Península Ibérica. Com efeito, na referida Cimeira foram definidos os eixos ferroviários de alta velocidade a desenvolver nas suas interligações com Espanha, que importa assumir como projecto nacional”.

Ora este plano ferroviário, protocolado com o Governo do vizinho Aznar, entre outras propostas, previa 5 (cinco) linhas TGV, a saber:

1) Linha Porto-Vigo, como linha de alta velocidade, com uma estação intermédia entre o Porto e a fronteira luso-espanhola de Valença/Tuy, com horizonte temporal de 2009;

2) Linha Lisboa-Madrid, como linha especialmente construída para a alta velocidade, com estação intermédia em Évora e na fronteira luso-espanhola de Elvas-Badajoz. Deve igualmente a sua parametrização permitir a circulação de composições ferroviárias de mercadorias compatíveis com as características do traçado e as exigências de exploração, com horizonte temporal de 2010;

3) Linha Lisboa-Porto, como linha especialmente construída para a alta velocidade, com estações intermédias em Leiria, Coimbra e Aveiro, com horizonte temporal de 2013;

4) Linha Lisboa-Faro-Huelva (via Évora), como linha de alta velocidade, com uma estação intermédia em Beja, com horizonte temporal de 2018 dependente de estudos técnico e de viabilidade económica;

5) Linha Aveiro-Salamanca, como linha de alta velocidade, permitindo a circulação de composições ferroviárias de passageiros e mercadorias, com estação intermédia em Viseu, com horizonte temporal de 2015.

A eloquência desta Resolução fala por si!

Temos pena porque a inexistência de uma oposição séria e credível é prejudicial ao crescimento da nossa democracia. Também não temos dúvida que a oposição se envenena, gradualmente, cada vez que morde a própria língua… “Paz à sua alma”

Clique aqui e divirta-se ao consultar a resolução no DR




0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home