terça-feira, março 06, 2007

Bem prega frei Tomás

(faz o que ele diz e não faças o que ele faz…)

Paulo Macedo saiu porque o Governo, (e muito bem) não admite excepções relativamente ao privilegiado estatuto remuneratório do senhor Director-geral dos Impostos.

Concordo! Apesar do sentido do serviço público ninguém é insubstituível e muito menos se coexistir à revelia do tecto salarial estabelecido pela lei vigente; mas o que mais me intriga é porque razão outros casos gritantes como o presidente da CGD, o governador do Banco de Portugal e os administradores, (até os muito maus) de tantas empresas do Estado podem continuar ganhar escandalosamente acima daquele que acaba de convidar a sair o referido Director-geral dos Impostos?

Sr. Sr. Primeiro-ministro porque estará a demorar tanto tempo a aviar-lhes a tal receita com que acabou de brindar o director-geral dos Impostos? Serão eles mesmo insubstituíveis ou o esforço de contenção é só para as vítimas de sempre?

Ora Sr. Primeiro-ministro, vamos lá acabar rapidamente com essa imoralidade, pois de insubstituíveis estão os cemitérios cheios…

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home